sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Luto Romântico



Certa vez, durante uma conversa fui chamada de insensível. Não concordei com o que ouvi, mas dei continuidade ao assunto: luto romântico. Ô tema polêmico de se debater, ainda mais com os homens.

Quase todo homem depois do término de um relacionamento espera que sua ex -cônjuge se afogue em lágrimas, que sinta uma tristeza e um remorço profundo por essa situação. Se não for pedir muito, que se humilhe pedindo para voltar. Eu particularmente não faço esse tipo. Não, eu não sou uma pedra. Por incrível que pareça eu tenho sentimentos.  Bons,  que fique bem claro.

É verdade que dói o término de uma relação, mas péra lá, se assujeitar a entrar no luto romantico já é demais. Cadê o amor próprio? Tem gente que só acorda para a vida depois que tudo se acabou.

Comigo é assim: o tempo para demonstrar amor e respeito é quando se está junto. O depois, fica para depois. Não dou a tal segunda chance. Aviso só uma vez, não fez por onde: tchau e benção. Não é questão de ser insensível, é questão de se dar valor. E eu, particularmente, sei bem o meu. A sorte está lançada. Bobeou, dançou meu bem.

Um comentário:

caracois disse...

Aplaudo de pé!
Não podia estar mais de acordo!
Se a vida só nos dá uma chance, não há que perder tempo com quem não nos merece ou não nos quer. E que a nossa história seja sempre escrita com as nossas próprias mãos!
Muito bom, mais uma vez.
Beijo
Laura