sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Lembro-me como se fosse hoje



Mais um dia havia amanhecido aqui na cidade do Rio e Janeiro e lembro-me como se fosse hoje. Quanto mais eu me espreguiçava, mais a minha vontade de me esquivar do mundo se acentuava. Levantei da cama e fui me preparando para mais uma jornada. Enquanto eu não chegava ao meu destino, lá estava eu dentro de um ônibus na Av. Brasil acompanhada de nossas belas lembranças, contando as horas que faltavam para o anoitecer. Minha manhã até que não foi tão turbulenta como o de costume e isso me confortou bastante.

A tarde fui ao encontro dos meus pequeninos. Uma surpresa me esperava e eu nem imaginava. Começava então, mais uma tarde barulhenta, recheada de broncas, deveres, brincadeiras e sorrisos, muitos sorrisos. Parece incrível, mas ao colocar meus pés naquela escola a sensação que eu tinha era de alivío, toda aquela carga e pressão que estou acostumada a vivenciar durante o período da manhã evapora. É como se a pureza, a simplicidade e o amor que os meus pequeninos me tratam sustentasse todos os meus problemas. E eles são tão lindos, com exceção de alguns pimentinhas que me tiram o sossego, mas a turma em si, é um amor.

Uma atividade aqui, outra ali. Assim foi a minha tarde naquele dia quente, com sol escaldante. Enquanto eu auxiliava algumas crianças, tinha uma que estava parada me obsevando bem de pertinho. Perguntei se ela não queria brincar, pois ja havia terminado a lição. Ela me respondeu com um olhar acanhado, e eu, por minha vez, entendi isso como um "não" e fiquei quieta. Mas não sabia eu, que essa criaturinha estava com uma cartinha nas mãos para me presentear. Quando de repente ela colocou a cartinha na minha mesa. Eu fiquei estatalada, sem saber como agir diante de tamanha ternura. Minha vontade era de agarra-la para agradecer, pois ela realmente tinha me pego de surpresa. Ela ficou tão sem jeito nessa hora que saiu correndo ao encontro dos amiguinhos para brincar.

Nessa hora me bateu uma ansiedade, queria ver o que tinha escrito na cartinha, mas eu tinha que continuar ensinando dever para outros alunos. Consegui me conter até chegar em casa. No fim do expediente, me despedi de todos e fui voando para casa. Ao abrir o envelope fiquei encantada. Aquela criança realmente tinha mexido comigo. Anoiteceu e mais uma surpresa me esperava, recebi uma mensagem de um alguém me agradecendo por tudo o que eu faço em prol dele, e enfatizando a importância da minha existência. Só faltei desabar, aliás, era muita coisa para um dia só.

Mais tarde vieram os paparicos, os doces, os beijos, os abraços, os afagos, a compreensão e a dedicação. Assim não tem quem aguente. Tudo o que eu tinha a fazer depois daquele dia era agradecer a Deus por Ele ser tão generoso comigo. A foto desse post, é a cartinha que ganhei. O texto, uma pequena dedicatória a essas pessoas que sabem como me fazer feliz.  É isso que eu quero para a minha vida, hoje e sempre. 

(Lembranças do dia 19/09/2007)